Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

A “arte” de acumular profissões: geração 'slasher' ganha força em Portugal

São jovens com idades que rondam os 30 anos e que têm mais que um ofício. Uma polivalência que pode ser útil em tempos de pandemia.

Emma Matthews Digital Content Production on Unsplash
Emma Matthews Digital Content Production on Unsplash
Autor: Redação

Ter mais que uma profissão e conjugá-las com a vida pessoal não será fácil, nem uma habilidade para todos. Por necessidade ou decisão própria, para conciliar o sustento com trabalhos por vocação, há cada vez mais pessoas a fazer muitas coisas ao mesmo tempo. E (muito) diferentes umas das outras. A chamada geração 'slasher' – este termo foi usado, pela primeira vez, no contexto da polivalência profissional nos EUA, em 2007, num artigo escrito pela colunista do The New York Times Marci Alboher – começa agora a ter peso em Portugal.

Em causa estão jovens com idades que rondam os 30 anos e que “têm mais que uma identidade profissional”, escreve o Jornal de Negócios, salientando que “pertencer à chamada geração 'slasher' é pôr as experiências à frente da carreira ou colocar o propósito acima do ‘status’”, o que em tempos de pandemia da Covid-19 pode ser visto como uma alternativa.

A publicação dá exemplos de pessoas que pertencem à geração 'slasher' em Portugal: Mariana Cáceres é ilustradora/tatuadora, Gonçalo Vicente é ‘personal trainer’/osteopata/formador, Soraia Tomás é enfermeira/DJ e Filipa Costa é terapeuta da fala/bailarina. 

“Quase todos nós temos um ‘slash’ (a barra que separa duas profissões). É muito difícil ser ‘só ilustradora’ ou ‘só tatuadora’”, diz Mariana Cáceres, de 28 anos, que em 2020, por causa da pandemia e do confinamento, acabou por se dedicar mais à ilustração.

A chamada geração 'slasher' – descrita no livro homónimo de Susan Kuang, lançado em 2016 – é uma realidade que se mantém atual e um fenómeno de popularidade na China. O periódico JingDaily refere, de resto, que existe até um Slasher Festival. A mesma publicação escreve que para esta geração ter múltiplas identidades é sinónimo de sucesso. Ao todo serão já cerca de 80 milhões os 'slashers' chineses, a grande maioria com estudos superiores, a viver nas grandes cidades. 

“Não é a profissão que os define. Daí o ‘slash’, porque podem ter mais que uma profissão. [São jovens] muito virados para o desenvolvimento pessoal e para as ‘soft skills’, que valorizam mais o seu dinheiro e são muito orientados para a cultura, para as questões ambientais, para o propósito das marcas, interessa-lhes mais isso do que o ‘status”, explica a especialista em marketing Carolina Afonso, também professora no Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa, em declarações ao Jornal de Negócios.