Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Escritórios, hotéis e residências para estudantes na mira dos investidores europeus

Fulvio Ambrosanio/Unsplash
Fulvio Ambrosanio/Unsplash
Autor: Redação

O segmento de escritórios na Europa, nomeadamente o desenvolvimento de projetos de raiz e/ou reabilitação de edifícios, continua a “oferecer” oportunidades de investimento interessantes, tanto para investidores com um perfil “core” como para investidores com um perfil “value-add” na Europa. E Lisboa e Porto estão no radar destes investidores.

Segundo um estudo da consultora Savills, que tem como objetivo identificar onde estão as principais oportunidades de investimento imobiliário na Europa, tem havido uma “procura significativa de instalações modernas” – de escritórios – um pouco por todo o continente. 

“Em alguns países, outras classes de ativos, tais como a hotelaria, o ‘private rented sector’ (PRS), residências para estudantes e residências sénior, têm atraído os investidores. O principal foco tem sido o crescimento do mercado de arrendamento, as oportunidades decorrentes do desenvolvimento e reposicionamento de ativos, tanto em termos de uso como de localização, e o rendimento garantido de longo prazo proveniente de ativos comerciais tradicionais e ativos alternativos”, refere a empresa em comunicado.

Savills
Savills

Para Paula Sequeira, Investment Director-Capital Markets da Savills Portugal, “em Portugal, os segmentos de retalho e escritórios têm sido dos mais visados pelos investidores ‘core’ nos últimos anos”. “A crescente procura de espaços de escritórios, nomeadamente por empresas de ‘shared services’ e espaços de ‘coworking’, a qual não encontra a devida correspondência no lado da oferta, tem criado uma janela de oportunidade para o investimento na promoção de edifícios de escritórios”, explica. 

Já o mercado de arrendamento habitacional sustentado na procura gerada por “setores não habituais”, como por exemplo residências para “student housing” e “senior living” e apartamentos para expatriados, tem suscitado cada vez mais interesse por parte dos investidores, revelou a responsável.

De acordo com Marcus Lemli, European Investment Director da Savills, “a Europa continua a ser uma proposta de investimento atrativa para os investidores”.

Tendo como base números preliminares dos primeiros três trimestres do ano fiscal de 2018, a Savills prevê que Irlanda, Polónia, Portugal e Grécia se destaquem, mostrando aumentos anuais de aproximadamente 80%. “Prevemos que os escritórios continuem a ser a classe de ativos mais procurada, apesar da compressão de ‘yields’. No entanto, os investidores dispostos a olhar para os países numa perspetiva de cidades e classes de ativos, podem ainda identificar oportunidades com ‘yields’ superiores a 5% na Europa”, lê-se no documento.