Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Espaços de trabalho a mudar: flexibilidade e localização são “reis” e retêm talento (mas há mais)

Estudo da Savills Portugal revela preferências dos trabalhadores, informação relevante para quem contrata, mas também para quem faz negócios imobiliários.

Photo by CoWomen on Unsplash
Photo by CoWomen on Unsplash
Autor: Redação

Ouvir quem trabalha é meio caminho andado para o sucesso empresarial. E cada vez mais companhias investem em avaliar os comportamentos, motivações, ansiedades e necessidades ao nível do bem-estar dos seus colaboradores. Por quê? Porque isso se reflete na produtividade e nos custos... mas é muito mais que isso. A forma como as novas gerações concebem o trabalho está a provocar alterações nas rotinas e espaços e esta mudança interessa a quem contrata, mas também quem faz negócios imobiliários – prova disso é a explosão do coworking, um novo fenómeno do setor.

Hoje em dia, a flexibilidade e a localização são dois fatores fundamentais, mas o estudo “What Workers Want”, da Savills Portugal, esta terça-feira (22 de outubro) no hub Criativo do Beato, em Lisboa, identificou outros. Uma secretária de trabalho já não chega, sendo aliás o que atualmente parece menos importar.

“Os espaços dos escritórios estão a transformar-se ao mesmo tempo que as novas motivações geracionais também se encontram em processo de mudança. Passou a existir uma necessidade de se estimular a criatividade e de se incentivar o trabalho em grupo”, comenta Alexandra Gomes, da área de research da consultora imobiliária, sobre uma das maiores tendências nesta área.

Segundo o estudo, 55% dos colaboradores trabalham em regime de 'open space' e 40% em salas e/ou escritórios fechados. Apurou-se ainda que o ruído é um fator que não tem um impacto negativo, sendo que algumas empresas já implementaram espaços de trabalho comuns para alguns setores de atividade. Porém, devido à natureza do seu trabalho, existem outras que optam ainda por trabalhar num ambiente de escritório individual.

Localização está no top das “exigências”

Mas, afinal, quais são as preferências dos trabalhadores? A localização é um dos fatores mais importantes no momento da candidatura a uma oferta de emprego: 50% dos colaboradores inquiridos refere que a localização está no topo da lista, quando questionados sobre o que consideram mais importante para a aceitação de um emprego. “O salário deixou de estar em primeiro plano. Apenas temos a verdadeira perceção destes dados quando se realizam este tipo de inquéritos”, acrescenta Alexandra Portugal Gomes.

O estudo mostra ainda que 43% dos colaboradores gostariam de trabalhar no centro da cidade e 22% nos arredores da cidade. Estes resultados “suportam a necessidade de se desenvolverem projetos no centro da cidade, onde a maior percentagem de mão-de-obra qualificada se encontra concentrada, facilitando o recrutamento”, refere a consultora no relatório.

“As percentagens mostram que não há muito espaço de manobra em relação ao fator localização. O mercado de escritórios em Lisboa tem, atualmente, taxas de disponibilidade quase nulas no centro da cidade, o que reduz significativamente a escolha das empresas. No entanto, o mercado ganhou alguns movimentos de migração de negócios para outras áreas de mercado, o que acontece pelo facto de Lisboa ser uma cidade com uma rede de transportes completa, fator que facilita a mobilidade”, refere Alexandra Portugal Gomes.

Flexibilidade, a (eterna) cobiçada

Uma das grandes tendências apuradas no estudo é a preferência por trabalhar a partir de casa: 23,9% dos colaboradores questionados gostariam de poder trabalhar desta forma. Ainda assim, apenas 14% têm a oportunidade de o fazer (55% são mulheres).

Trabalhar a partir de casa em Portugal ainda não é uma realidade para a maioria dos colaboradores. De acordo com dados do Eurofund (2017), citados pela Savills, apenas 2% da população nacional encontrava-se neste regime de forma regular. Trata-se de um método que pode ser considerado pouco atraente, “sobretudo em setores onde é necessária uma gestão mais tradicional e um controle mais direto”, lê-se no documento.

Apesar de tudo, e quando questionados sobre se a cultura da sua empresa incentiva a produtividade e se o acesso à tecnologia facilita a flexibilidade no trabalho, 48% dos colaboradores respondeu “sim”, que a sua empresa os incentiva, no dia-a-dia, à flexibilidade no trabalho.

“Um ambiente de trabalho mais flexível tem, obrigatoriamente, um impacto no setor imobiliário, influenciando o tradicional relacionamento entre proprietários e ocupantes. Os espaços de trabalho coletivo forneceram às empresas uma opção mais flexível e acessível”, refere a Savills.

Mas as empresas ainda têm um longo trabalho a fazer no que diz respeito ao planeamento adequado do espaço do escritório. Em resposta ao estudo, 28,7% dos colaboradores afirma não ter qualquer controle sobre o layout da sua área de trabalho e 33,9% têm uma postura neutra sobre esse assunto. Os dados revelaram que 53,5% dos inquiridos gostaria de ter controlo sobre seu espaço de trabalho e 50,2% afirma que o seu empregador atual nunca lhe pediu uma opinião sobre isso.

Entre outros fatores apontados pelos colaboradores das empresas como os mais importantes destacam-se ainda a manutenção da limpeza, o conforto na área de trabalho, a qualidade da temperatura e a iluminação. Para Alexandra Portugal Gomes “estes dados são surpreendentes, visto que garantir que os colaboradores tenham os níveis básicos de conforto deveria ser uma obrigação não questionável, dando lugar agora a outros fatores”.

Este estudo foi desenvolvido com base num questionário realizado a 1.005 colaboradores de escritórios localizados de norte a sul de Portugal, em diversos setores de atividades (63% da amostra pertence ao grupo de idades entre os 25 e 44 anos).