Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mudança de ciclo à vista? Preços das casas vão ser corrigidos

Carlos Porfírio
Carlos Porfírio
Autor: Leonor Santos

Desafiar 500 pessoas num auditório, para refletir juntos sobre o futuro do mercado imobiliário em Portugal. Massimo Forte e Gonçalo Nascimento Rodrigues lançaram o repto e o resultado não poderia ter sido mais supreendente: casa cheia para “O Desafio” de debater e prespetivar “aquilo que aí vem”. As oportunidades vão continuar, mas será preciso prudência numa altura em que se avizinha uma “mudança de ciclo”. O produto já demora mais tempo a escoar e os preços da habitação deverão ser gradualmente corrigidos.

“O Desafio” veio agitar as águas, pelo segundo ano consecutivo, antevendo os desafios que o setor irá enfrentar. “O mercado vai mudar, então deixa-me antecipar o futuro antes que seja apanhado numa confusão”. As palavras são de Massimo Forte, um dos anfitriões do evento – que decorreu esta quinta-feira (23 de maio de 2019) na LISPOLIS – Associação para o Polo Tecnológico de Lisboa –, quando confrontado sobre o propósito desta iniciativa e a importância de estar preparado para a mudança.

Com um formato diferente do ano anterior – que este ano contou com o apoio exclusivo do idealista – , “O Desafio” decidiu apresentar-se a várias vozes e não apenas a duas, com os organizadores do evento a moderar os vários painéis de debate, deixando o papel de oradores para os convidados.

Carlos Porfírio
Carlos Porfírio

Que perspetivas para o futuro?

Os especialistas admitem a chegada de “muito produto ao mercado”, antecipando uma correção de preços na habitação. Fernando Vasco Costa, diretor-geral da Nexity em Portugal, acredita que o mercado ainda “tem muito para fazer”, nomeadamente para a classe média, que continua a não conseguir encontrar oferta a preços acessíveis.

Para o responsável, com “tanta procura” instalou-se o pensamento do “tudo se vende”, algo que a seu ver precisa de ser contrariado, nomeadamente através de soluções que esta classe possa pagar. Segundo este agente do mercado, a correção de preços deve-se, muito em parte, à oferta nova uma vez que “há muita gente” à procura desse tipo de casas. Considera que a cidade de Lisboa, por exemplo, se desenvolveu “muito para fora” e que ainda há “muito para explorar no centro”, sendo esse um desafio que “está pela frente”.

Outro desafio chama-se arrendamento, segundo o especialista. Considera que é preciso mudar esta “grave lacuna de mercado”, frisando que Portugal continua a ter “à porta” uma grande quantidade de investidores que quer entrar.  

É também no turismo que a palavra oportunidade ganha destaque. Bernardo D’Eça Leal, co-fundador do “The Independente Collective”, um grupo de hospitalidade criativa focado no desenvolvimento de negócios de hospitalidade tão diversos como hostels e guesthouses de luxo, está otimista quanto ao futuro, referindo o setor como sendo fundamental na contínua atração de investimento.

O especialista considera que as pessoas que “vêm para hostels ou soluções de alojamento temporário” podem vir depois para ficar, referindo que estes são cada vez mais produtos ecléticos capazes de atrair os mais endinheirados, muitas vezes dispostos a escolher estas opções em detrimento de hotéis de 5 estrelas.

Fala de um “turismo que vai chegar a todo o lado” e de oportunidades a florescer em cidades mais pequenas, como Braga ou Aveiro.

Carlos Porfírio
Carlos Porfírio

Mediadores devem “abraçar” novas tecnologias

Num mercado tão competitivo como aquele em que vivemos atualmente, importa saber que papel terá a tecnologia no imobiliário - um tema que os anfitriões decidiram trazer para cima da mesa. Os especialistas reconhecem que nada substituirá o “papel humano” nos negócios, mas admitem que devem retirar-se vantagens das novas ferramentas tecnológicas, que podem e devem ser utilizadas no dia a dia de trabalho.

Para Massimo Forte, os mediadores devem estar atentos a três elementos fundamentais. “É importante trabalharem em localização, em nicho, em bairro, e não andarem a vender em todo o lado. Isso é um risco e uma coisa que no passado correu mal”, argumenta. Outra questão muito importante, garante, é a tecnologia, que “tem de ser acolhida, adaptada, inserida no sistema, e não vista como o inimigo que nos vai tirar a nossa posição”. Por fim, a “dimensão humana”, que deve trabalhar a credibilidade, confiança e compreensão do outro. “Esta é a chave”, diz.

“Se eu for especialista de uma zona, além da dimensão pessoa, eu tenho a tecnologia comigo e uma série de coisas que facilitam a vida às pessoas, e no final ainda sou credível, confiante e compreendo o outro, ou seja, eu vou ser um agente hoje e amanhã”, remata o especialista imobiliário.