Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O que é melhor, viver numa casa como proprietário ou inquilino? (Parte IV)

A Deco preparou um guia para o idealista/news para ajudar os consumidores a decidirem se querem ser proprietários ou inquilinos.

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Comprar ou arrendar casa ficou mais caro nos últimos tempos, o que está a dificultar a tomada de decisão de muitos portugueses. Afinal o que é melhor e/ou mais económico, viver numa casa na condição de proprietário ou de inquilino? A resposta não é fácil de dar, mas tentaremos ajudar-te a decidir com a ajuda da Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Se pretendes comprar casa assegura-te que estás a fazer um bom investimento. Mesmo que pretendas adquirir um imóvel com a(o) namorada(o) ou cônjuge, tem atenção que provavelmente não será “para a vida toda” e podes daqui por uns anos querer vender o imóvel. Por isso, deves assegurar-te que o mesmo tem valor de revenda, fazendo um investimento inteligente. A localização é desde logo um aspeto muito importante a ponderar. De que te servirá comprar um imóvel fantástico e ter problemas com a vizinhança? Se mais tarde pretenderes vender, esse aspeto será relevante.

E o preço também será significativo: tenta comprar o imóvel ao melhor preço na melhor localização possível. O futuro valor de venda estará assim potenciado.

Tem também atenção ao preço dos imóveis na área, informa-te se estão ou não em queda e verifica qual o preço médio por metro quadrado (m2) na zona circundante, face à tipologia pretendida, e se os eventuais espaços comercias envolventes estão a abrir ou encerrar.

Define o preço máximo que estás disposto a dar pelo imóvel e tem em mente a respetiva área útil da habitação, a existência de garagem, arrecadação ou varandas, por exemplo.

Tem ainda em conta a exposição solar, a idade, os acabamentos, aquecimento central, elevador, o tipo de construção, se foi ou não renovado recentemente, piscina, jardim, tudo fatores que diferenciam o preço e poderão ter impacto ao nível do condomínio a pagar.

Mesmo que não tenhas filhos, a existência de uma instituição escolar próxima ou acessível e rede de transportes são fatores a considerar.

Poderás ainda recorrer a um mediador imobiliário ou perito para avaliar o imóvel, o que poderá acarretar custos.

Podes consultar o valor patrimonial tributário do imóvel no simulador do Portal das Finanças.

Se quiseres comprar casa numa das cidades com mais de 100.000 habitantes, como por exemplo Amadora, Braga, Coimbra, Funchal, Lisboa, Porto ou Vila Nova de Gaia, podes ficar com uma noção do preço médio por m2 no aplicativo que o INE disponibiliza. Consulta aqui:

Podes também para o efeito utilizar a ferramenta disponibilizada pela Deco/Proteste. Para tal clica neste link.

Nesta transação, tem ainda presente que o preço do imóvel poderá ser negociável, devendo refletir vantagem para ambas as partes.

No processo de compra existem, pois, passos importantes a dar. Desde logo definir o montante que estás disposto a pagar, as necessidades de crédito e fazer um orçamento, sem esquecer os custos adicionais em que incorrerás… Faz um investimento inteligente!

Mais informação útil aqui.