Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Grupo KNJ Investment Limited constrói torre no Porto com 15 pisos – e aposta forte em Portugal

Miramar Tower é o primeiro projeto imobiliário em Portugal do grupo liderado pelo empresário macaense Kevin Ho, maior acionista da Global Media.

KNJ Investment Limited
KNJ Investment Limited
Autor: Redação

O Miramar Tower, primeiro projeto imobiliário em Portugal do Grupo KNJ Investment Limited, liderado pelo empresário macaense Kevin Ho – maior acionista da Global Media –, vai nascer numa das zonas mais nobres do Porto. Trata-se de um edifício que estará inserido num condomínio fechado de luxo e que terá 15 pisos, com 21 apartamentos de tipologias T1 a T4 e áreas brutas entre 152 a 613 metros quadrados (m2), incluindo varandas. Na cobertura terá um terraço comum. Os preços variam entre 450.000 euros e 2,5 milhões de euros e o início das obras está previsto para os próximos dois, a três meses. 

Sob o mote “Skybound high life”, o Miramar Tower tem a assinatura da equipa de arquitetura OODA e é comercializado pela Predibisa, adianta a empresa em comunicado.

“Escolhemos o Porto pela sua performance económica, mas também pela ligação histórica entre Portugal e Macau. É também por estes motivos que pretendemos continuar a investir nesta cidade através de outros projetos icónicos, certo de que o Miramar Tower será um marco arquitetónico e uma referência entre os edifícios habitacionais”, começa por dizer o administrador do Grupo KNJ Investment Limited e promotor do Miramar Tower, Kevin Ho.

A empresa refere que o empreendimento destaca-se “pela singularidade e pontualidade na paisagem, que se prolonga até ao mar”, e foi “traçado para quem aprecia a dicotomia da vivência diária entre as praias da Foz e a privacidade oferecida pelas extensas varandas e terraços, mas também para quem valoriza a proximidade e ligação a pontos urbanos de interesse cultural”. “O Miramar Tower assegura o equilíbrio entre o ritmo de vida urbano e a vida familiar”, lê-se no documento.

Continuar a investir em Portugal

Adiantando que o Grupo KNJ Investment Limited tem a intenção de continuar a investir em Portugal, e particularmente no Porto, Kevin Ho revela que espera poder anunciar “a breve prazo um outro projeto de grande significado para a Invicta”. “Queremos agradecer a todos quanto nos têm ajudado neste projeto icónico (…). Temos a certeza de que o Miramar Tower será um marco arquitetónico na cidade do Porto e uma referência de qualidade na promoção imobiliária residencial. Por estas razões, temos elevadas expetativas em relação à sua comercialização. Esse sucesso será, certamente, um incentivo para que continuemos a investir em Portugal e no Porto”.

De recordar que, em 2017, o Grupo KNJ Investment Limited comprou um imóvel icónico na cidade do Porto, denominada “Torre JN”. Trata-se, precisamente, da sede do Jornal de Notícias, que será transformado num hotel de cinco estrelas da marca Marriott.

KNJ Investment Limited
KNJ Investment Limited

“Um projeto diferenciador”

Para João Magalhães, Chairman da Predibisa, o Miramar Tower será “um projeto diferenciador, dotado de franca personalidade, que alia a excelência da arquitetura com um estilo de vida moderno”. “Inserido numas das zonas mais procuradas da cidade e próximo de várias valências, este empreendimento permitirá a conjugação perfeita entre a qualidade de vida que a zona da Foz oferece e a azáfama da cidade. Esta comercialização é uma excelente oportunidade para quem pretende viver numa das melhores zonas do Porto e investir num produto imobiliário seguro. Estamos muito confiantes no seu sucesso”, conclui, citado no documento.

João Jesus, sócio do OODA, comenta que “as varandas [dos apartamentos] são a parte visível da estrutura da torre e atuam como exoesqueleto que se estende de forma desigual em cada piso e desconstrói a racionalidade interior”. 

“O Miramar Tower é quase uma tempestade perfeita, no lugar onde cresci e numa paisagem na qual nunca imaginei vir a desenhar e acrescentar uma torre. Aqui, precisaríamos de 50 promotores até conseguirmos encontrar alguém que, com o arrojo e ambição suficiente, aceitasse desenvolver tipologias de habitação com mais de 200 m2 de varanda por piso. Numa torre de forte vocação estética, são estas varandas panorâmicas e dinâmicas que criam tanto o tema de conceito, como a oportunidade do exercício plástico e escultórico que se concebeu integralmente em betão. (…) Desejámos algo potencialmente irrepetível… uma escultura habitável”, acrescenta Diogo Brito, também sócio do OODA.