Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Quais as cidades do sul da Europa onde é maior o esforço para pagar a renda da casa?

Setúbal ocupa a segunda posição do ranking, sendo apenas ultrapassada pela cidade italiana de Milão. Faro e Évora também integram o top 10.

Freepik
Freepik
Autor: Redação

Milão é a capital do sul da Europa onde a taxa de esforço das famílias para o pagamento da renda de uma casa é maior: 42,6%. Um valor superior ao registado, por exemplo, em Madrid/Espanha (36,3%) e Lisboa (35,8%). Destaque para outra cidade portuguesa, Setúbal, que se encontra no segundo lugar deste ranking (40,6%). Em causa está um estudo do idealista, que cruzou os preços de arrendamento de março de 2021, nas metrópoles de Itália, Espanha e Portugal, com a estimativa de rendimentos líquidos familiares nesse mesmo período de tempo.

De realçar ainda que no top 10, que é composto por cinco cidades italianas e duas espanholas, encontram-se as portuguesas Faro (38,8%) e Évora (37,8%). Isto além de Setúbal, conforme já referido. 

Os especialistas recomendam que o ideal é não ultrapassar mais de um terço dos rendimentos para o pagamento das rendas aos respetivos senhorios, no entanto, e como escrevemos recentemente neste artigo, em oito cidades portuguesas é superada essa fasquia. O mesmo acontece, por exemplo, em Espanha. 

No caso concreto de Portugal, é em Setúbal onde as famílias têm de fazer um maior esforço financeiro para conseguirem arrendar uma casa, tendo que destinar 41% dos seus rendimentos para pagar a renda. Lisboa e Porto apresentam uma taxa de esforço inferior: 35,8% e 30,8%, respetivamente.

Comparativamente com as outras cidades do sul da Europa, Milão é, de longe, a metrópole “mais cara” para os inquilinos (42,6%). O top cinco fica completo, por esta ordem, por Setúbal (40,6%), conforme já mencionado, Vicenza (Itália/39,6%), Lanusei (ilha de Sardenha, Itália/39,1%) e Santa Cruz de Tenerife (Espanha) e a cidade algarvia de Faro (ambas com uma taxa de esforço de 38,8%).