Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Imobiliário de luxo: um motor do mercado a acelerar com o uso da tecnologia

O webinar do idealista juntou vários responsáveis para analisar as tendências deste segmento e avaliar a importância atual para este negócio dos serviços multimédia.

Autor: Redação

Dentro do alarme e preocupações à escala global, face ao contexto da pandemia da Covid-19, há um segmento do imobiliário a destacar-se em Portugal pela positiva e a dar sinais de recuperação que, dentro de um otimismo moderado, poderá servir de alavanca ao setor: trata-se do mercado de luxo. O último webinar do idealista, realizado na passada sexta-feira, 22 de maio de 2020, voltou a juntar vários responsáveis do idealista Portugal para abordar as tendências de crescimento e evolução da procura no mercado residencial prime, e avaliar a importância atual para este negócio da tecnologia, dos serviços multimédia e da qualidade de publicação online.

Apesar de ser um nicho de mercado, o imobiliário de luxo continua a dar cartas e a mostrar-se resistente, mesmo em tempos de pandemia. E Portugal parece ser mesmo um caso de sucesso no panorama internacional, de acordo com as análises dos especialistas. Num primeiro estudo sobre o impacto do surto neste segmento, a Knight Frank analisou a evolução de preços nas 20 principais cidades do mundo, e coloca Lisboa nos quatro únicos mercados onde preços ainda deverão subir em 2020. A consultora prevê ainda que 2021 seja de forte recuperação – e no caso concreto da capital portuguesa as subidas podem ser superiores a 5%.

Além disso, a gestão positiva que Portugal tem vindo a fazer do surto, combinada com outros fatores característicos do país, desde a segurança, à qualidade e custo de vida, poderão mesmo colocar o destino na primeira linha de relançamento no pós-pandemia, como, de resto, referiu o COO da promotora VIC Properties, Luís Gamboa, em entrevista ao idealista/news. Mas estar bem posicionado poderá não ser suficiente, sobretudo porque - apesar do tempo ameno típico de Portugal - o clima económico continua a ser de incerteza, e os especialistas preferem demarcar-se de qualquer tipo de futurologia.

Melhorar rede de contactos - uma dica para fazer mais e melhores negócios

António Marques, diretor comercial do idealista Portugal, indica que “continua a existir bastante interesse no imobiliário de luxo quer a nível nacional como internacional, mas no novo mundo pós Covid-19 teremos que rever comportamentos passados e abraçar as novas tecnologias para trabalhar neste mercado”, acrescentando que é “fundamental estar adaptado ao mundo global” e, nesta primeira fase [de levantamente gradual de restrições], ao mercado europeu.

Diz, por isso, que para se fazerem negócios imobiliários no atual contexto é necessário um maior esforço por parte de quem ainda não tem uma forte rede de contactos. Os profissionais do setor que não têm, aconselha, “devem reforçá-la”, através, por exemplo, das ferramentas multimédia. “A internet é o nosso futuro, e quem não estiver lá, vai perder”, garante, e socorre-se de exemplos de ferramentas do idealista para justificar esta importância, nomeadamente a vídeo-visita, uma plataforma interativa - brevemente disponível - que poderá funcionar como espécie de open-house, mas em formato virtual, e ainda a criação de uma landing page de luxo, com os imóveis à venda em Portugal, que “dá uma vantagem competitiva”.

No novo mundo pós Covid-19 teremos que rever comportamentos passados e abraçar as novas tecnologias para trabalhar neste mercado
António Marques

E o especialista em vendas imobiliárias partilha um dado importante sobre a aposta necessária na tecnologia: um imóvel com serviço multimédia está a gerar +92% de contactos comparado com um imóvel sem multimédia. “Isto é muito importante, ainda para mais neste mercado de luxo”, argumenta o responsável.

“Conceito de luxo está a mudar e isso gera oportunidades"

E porque o imobiliário de luxo mantém esta dinâmica positiva? A diretora do idealista/news Portugal, Tânia Ferreira, começa por referir que, “além dos fundamentos, em termos conceptuais, de que o imobiliário se mantém como um investimento atrativo e de refúgio, em termos reais, há fatores que fazem com que o imobiliário nacional se mantenha no topo da lista para os investidores e que têm a ver com os atributos de Portugal e a imagem de marca do país a nível externo”, nomeadamente o clima, segurança, estabilidade política ou custo de vida.

A este conjunto de fatores, diz a responsável - citando fontes do setor ouvidas ao longo dos últimos meses, desde o rebentar da crise - juntou-se um “um novo trunfo”: a forma como Portugal tem vindo a gerir a crise sanitária e os bons resultados conseguidos, até ao momento. Lá fora, e desde vários pontos do globo, explica, os investidores elogiam e valorizam a condução do país neste contexto e mostram-se, por isto, disponíveis para continuar a apostar no imobiliário nacional. “Prova disto mesmo é que, em plena pandemia, foram fechadas ou negociadas transações de alto valor, acima do milhão de euros, segundo por exemplo a Porta da Frente ou a JLL”, destaca ainda a jornalista especializada em economia.

O conceito de luxo está a mudar, tornando-se mais amplo, com diferentes clientes a mostrar interesse por diferentes produtos
Tânia Ferreira

Outro sinal de dinamismo do segmento do luxo no imobiliário é a nova oferta de projetos residenciais, que continuam a chegar ao mercado - já em comercialização, em construção ou para lançamento. Neste período, indica Tânia Ferreira, foram vários os promotores, investidores e consultoras que comunicaram novos empreendimentos de alto standing, nas regiões da grande Lisboa, grande Porto e Algarve.

“Nisto tudo, há um um ponto crítico a reter: o conceito de luxo está a mudar, tornando-se mais amplo, com diferentes clientes a mostrar interesse por diferentes produtos - desde a pandemia há mais procura por imóveis com diferentes lay-outs, com mais espaço interior e exterior, bem como por outros fora dos centros urbanos, no campo ou perto da praia. E isto pode traduzir-se em oportunidades de negócio. "Mas para isso, há que analisar bem o mercado, com dados de confiança, e estar atento à evolução dos comportamentos sociais e não apenas aos movimentos de capitais”, remata a responsável pelo idealista/news Portugal.

Interesse e contactos nas zonas prime a subir

O impacto da Covid-19 e evolução da procura nacional e internacional continua a ser analisado igualmente, em detalhe, pela diretora do idealista/data Portugal, Inês Campaniço. A responsável voltou a frisar que, desde que começou o confinamento, percebeu-se que “os dados tinham de ser analisados muito mais em detalhe” e que, por isso, a equipa começou internamente a desenvolver vários indicadores, em termos de oferta, preço, visitas e contactos (leads).

Essa nova métrica, apelidada de “Alerta imobiliário”, permite aos especialistas analisar as variações e comparar com o ano passado, algo que estão a fazer, de resto, semana a semana. Inês Campaniço, com base em gráficos e dados que apontam para uma recuperação no mercado de venda e também no arrendamento, ressalta que se apresentam “mais variações dada a sua dinâmica". A especialista em dados refere que os contactos e a oferta começaram de forma geral a recuperar em abril, e agora com mais ênfase, em maio.

Os dados demonstram um aumento exponencial de interesse e contactos nas zonas prime, principalmente no mercado residencial de venda
Inês Campaniço

Inês Campaniço realça, de resto, a importância de se evitar fazer “futurologia” e previsões a longo prazo, sendo importante olhar para os dados do mercado de forma cirúrgica, bairro a bairro, para ser possível tirar conclusões efetivas tanto quanto possível.

Para já, refere, “os dados demonstram um aumento exponencial de interesse e contactos nas zonas prime, principalmente no mercado residencial de venda, não mostrando, de todo, uma descida de preços, pelo contrário, uma ligeira subida” e que a “procura internacional de países como Brasil, Estados Unidos e França continua elevada, especialmente no mercado de luxo”.

Serviços multimédia “imprescindíveis” no mercado de luxo

João Braz, workshop manager do idealista Portugal, defende que este é, mais que nunca, o momento de trabalhar “o posicionamento e a qualidade de publicação dos imóveis, desde as fotos, vídeos, características etc..”, mas também o “momento de trabalhar relações”. “Temos de pensar que vivemos num contexto diferente e que, portanto, o contacto com o cliente ou a angariação do imóvel são diferentes”, diz.

“A utilização de serviços multimédia como visitas virtuais, 3D ou vídeos que contribuam para uma melhor qualidade de publicação online é importante no mercado imobiliário mas torna-se imprescindível se estivermos a falar especificamente do mercado residencial de luxo, quer no momento da angariação e plano de marketing quer também na fase de promoção do imóvel para chegar de forma eficaz ao público-alvo desejado”, afirma o formador em marketing imobiliário.

A utilização de serviços multimédia como visitas virtuais, 3D ou vídeos (...) torna-se imprescindível se estivermos a falar especificamente do mercado residencial de luxo
João Braz

O responsável frisa a importância de cada vez mais o conteúdo e mensagem serem adaptados ao potencial comprador, e compara as ações e serviços apresentados na promoção de um imóvel de luxo entre três hipotéticas agências (A, B e C), chegando-se à conclusão que sai “vencedora” aquela que aposta no posicionamento online, que tem uma boa rede de contactos, um plano de marketing, um serviço completo, e uma angariação em preço e em exclusivo.

Dentro da oferta variada e generalizada do idealista e ao nível do reforço da visibilidade dos imóveis e da marca, João Braz sublinha os destaques e branding, nomeadamente o serviço premium (que permite chegar às primeiras posições), o realce visual (com o fundo destacado com cor) e ainda o branding (multiplica a visibilidade). Para chegar aos clientes de luxo, refere ainda diferentes formatos, nomeadamente o envio de email à base de dados, segmentado (zona, preço, tipo de imóvel, etc..) e com impacto no público-alvo (compradores ou proprietários).

O responsável destaca ainda o novo serviço profissional do idealista, o Virtual Home Staging (VHS), uma sofisticada e revolucionária maneira de decorar digitalmente as casas, e que “permite vender mais rápido e a melhor preço”.