Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Negócios na era Covid-19: Axians (do grupo VINCI Energies) ocupa edifício República 87

São ao todo 2.700 m2, tendo o imóvel, um palacete reconvertido em edifício de escritórios, seis pisos, dos quais dois subterrâneos.

JLL
JLL
Autor: Redação

A Axians, marca do grupo VINCI Energies que opera na área das Tecnologias da Informação, vai ocupar a totalidade do edifício República 87, em Lisboa – são ao todo 2.700 metros quadrados (m2), tendo o imóvel quatro pisos de escritórios e dois subterrâneos. Trata-se de um antigo palacete reconvertido em edifício de escritórios, tendo o negócio sido consumado em pleno estado de emergência, na sequência da pandemia de Covid-19.

Segundo a JLL, que representou o proprietário no negócio de arrendamento, o República 87 “assumiu-se como mais uma morada ideal para a Axians, que numa fase de amplo desenvolvimento tinha como requisito obrigatório uma localização no centro da cidade”. “Em Portugal, este será o mais recente de cinco espaços ‘state-of-the-art’ da marca presente em Lisboa, Loures, Porto e Castelo Branco”, refere a consultora, em comunicado.

Em causa está “um palacete reconvertido” que preserva, no entanto, a sua fachada original, “sendo um dos poucos exemplares de Art Deco” na capital. “As áreas de ‘open-space’ e instalações técnicas serão ainda alvo de intervenções de melhorias por parte do proprietário”, adianta a JLL.

Mariana Rosa, Head of Office & Logistics Agency & Transaction Manager da JLL, sublinha o facto da operação ter sido “concluída num cenário inédito de ‘lockdown’ causado por uma pandemia, o que vem confirmar a vitalidade do mercado de escritórios de Lisboa e a solidez da procura”. “E, acima de tudo, prova também que das crises podem advir oportunidades”, comenta.

Já Carmo Palma, Managing Director na Axians, adianta que se trata de uma decisão que “tem vindo a ser planeada há já alguns meses e sustentada no saudável desempenho financeiro da empresa e do Grupo VINCI Energies”. “A experiência de trabalho remoto que advém desta crise pandémica demonstra que é possível trabalhar à distância de forma eficiente, inclusiva, sustentável e com poupança de tempo nas deslocações diárias. Toda esta experiência deu à Axians ferramentas para ‘redesenhar’ o escritório do futuro assente num modelo de trabalho híbrido. Isto é, um espaço aprazível a todos os colaboradores, com muitos espaços para a co-criação, co-work, convívio, em total segurança, mas que também permite o trabalho individual em formato remoto”, afirma.