Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Insolvências

Últimas notícias sobre "Insolvências" publicadas em idealista.pt/news

O que é um processo de insolvência de particulares? É uma boa opção?

Muitos portugueses optam, em tempos de crise, por avançar com um processo de insolvência de particulares. Mas será esta uma boa solução? No artigo desta semana da Deco Alerta procuramos dar resposta a esta e outras questões.

Notícia sobre:

Bens imobiliários da têxtil Coelima avaliados em 13,3 milhões – menos de metade da dívida

Os bens imobiliários da têxtil Coelima, sedeada em Guimarães, estão avaliados em 13,3 milhões de euros, segundo o auto de apreensão entregue no tribunal pelo administrador de insolvência da empresa, cujo processo se arrasta desde abril. O valor do ativo imobiliário, composto por 11 parcelas entre edifícios e terrenos, não cobre nem metade das dívidas de 29,5 milhões de euros identificadas na petição da insolvência, escreve o Público. Há duas propostas em cima da mesa para comprar a Coelima, da Felpinter e da Mundotêxtil.

Notícia sobre:

PRR: o que muda quando há insolvência da construtora? Governo garante proteção das famílias

Um particular assina um contrato de promessa de compra de uma nova casa, paga um sinal e instala-se no novo lar. Em falta fica apenas a escritura para selar o negócio. Mas o que acontece se a construtora declarar insolvência e anular o negócio antes da assinatura final? Hoje, esta questão tem sido enquadrada por jurisprudência do Supremo Tribunal de Justiça, que protege as famílias, que têm direito de retenção, concedendo-lhes uma indeminização – o dobro do sinal pago, de acordo com o Código Civil. Mas as duas linhas escritas dos documentos anexos ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e dedicadas aos processos de insolvência geraram dúvidas entre os especialistas sobre uma possível alteração da posição da banca face à das famílias. Mas o que sugere afinal?

Notícia sobre:

Novo Banco é o segundo maior credor da empresa que gere o Zmar

São 16 milhões de euros que fazem do Novo Banco o segundo maior credor da empresa que controla o Zmar Eco Resort – a Multiparques. A maior credora é mesmo a Ares Lusitani – com 22 milhões de euros. Este é o empreendimento requisitado pelo Governo para instalar temporariamente 28 imigrantes, tendo em vista o controlo da situação epidemiológica no concelho de Odemira. Mas a massa insolvente do local teme que este processo coloque em causa o plano de recuperação já aprovado, que prevê a reabertura do espaço dia 28 de maio.

Notícia sobre:

Dolce Vita Miraflores está pela terceira vez no mercado - agora por 5,3 milhões de euros

Depois de tentar vender por duas vezes o falido Dolce Vita Miraflores, situado em Oeiras, o banco espanhol Abanca - e também credor hipotecário do ‘shopping’ - aposta numa terceira tentativa, colocando-o novamente no mercado. Desta vez, o seu valor base situa-se nos 5,3 milhões de euros, quase metade da avaliação realizada há três anos pelo banco.

Notícia sobre:

Dona do Zmar declarada insolvente – mas eco recort vai reabrir “em breve”

A dona e gestora do Zmar, a Multiparques A Céu Aberto, foi declarada insolvente em março – os credores podem reclamar os seus créditos até dia 12 de abril –, mas o eco resort localizado perto da Zambujeira do Mar deverá reabrir "em breve".

Notícia sobre:

Novo Banco recupera (para já) 6,5 milhões de euros do fundo imobiliário do GES Invesfundo III

Quando ainda havia o Grupo Espírito Santo (GES), o Banco Espírito Santo (BES) lançou, em conjunto com construtores e promotores imobiliários, vários fundos imobiliários designados Invesfundo. O terceiro destes veículos, o Invesfundo III, que foi herdado pelo Novo Banco (NB) e entrou em insolvência em junho de 2020, está agora pronto para começar a reembolsar os credores, sendo que cabe à entidade liderada por António Ramalho a maioria dos créditos: 58 milhões de euros.

Notícia sobre:

Construção dá novas provas de imunidade à Covid-19 com quebras no número de insolvências

Os impactos negativos da pandemia da Covid-19 no número de insolvências e constituição de empresas no país continuam a ser evidentes - as insolvências aumentaram 64,5% em agosto, face a igual período do ano passado, e as novas aberturas continuam em queda. Ainda assim, e numa espécie de contraciclo, o setor da construção e obras públicas destaca-se pela forma positiva como tem conseguido “escapar” à crise. Este segmento de negócio nunca parou, mesmo no período mais crítico do surto, e até conseguiu crescer, como já foi confirmado pelo INE. Foi também a única atividade a registar uma diminuição de 4,4% no número de empresas insolventes, até ao passado mês, se comparado com o período homólogo de 2019, segundo mostram os dados do mais recente relatório da Iberinform, filial da Crédito y Caución.

Notícia sobre: