Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Carlos Brandão deixa presidência do Bankinter para “abraçar novos projetos profissionais”

Jornal Económico
Jornal Económico
Autor: Redação

O presidente executivo do Bankinter em Portugal, Carlos Brandão, deixou há cerca de um mês a presidência do banco, que oficializou a compra do negócio de retalho do Barclays Portugal – por 86 milhões de euros – há pouco mais de um ano. É a primeira saída no banco espanhol desde que opera em território nacional.

Segundo o Jornal Económico, o antigo responsável abandonou a liderança da filial portuguesa por opção própria, adiantando que vai “abraçar novos projetos profissionais”.

O diretor geral da banca comercial do Bankinter, Fernando Moreno, é o novo responsável, por tempo indeterminado, escreve a publicação, salientando que a instituição financeira espanhola optou por uma solução interina através de um membro do comité diretivo.

Quer isto dizer que o antigo country manager do Barclays Portugal é o mais recente dirigente a juntar-se ao entra e sai do setor bancário português, após Fernando Ulrich ter deixado a presidência do BPI, em abril.

Apesar de Carlos Brandão ter posto fim às funções no banco, uma fonte oficial garante que a aposta da instituição em Portugal mantém-se, bem como os restantes membros da administração. “Queremos manter o nível de produção em crédito habitação que temos atualmente e temos disponibilidade para crescer na concessão de crédito às empresas. Vamos lançar novas soluções para os clientes em 2017 e continuaremos a investir em tecnologia para servir ainda melhor os nossos clientes”, afirmou o agora ex-CEO, aquando do balanço do primeiro aniversário em território nacional.

De referir que no primeiro trimestre do ano o Bankinter teve um lucro de 124,4 milhões de euros, mais 18,7% que nos primeiros três meses do ano passado. Um aumento impulsionado pelos resultados obtidos na operação que tem em Portugal. Os ativos totais do grupo, incluindo o negócio em Portugal, eram de 69.596 milhões de euros no final do primeiro trimestre, um acréscimo de 13% comparativamente aos resultados do ano anterior.