Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Onde os estrangeiros mais gostam de comprar e arrendar casas no litoral de Portugal

Norte-americanos, franceses e britânicos são as nacionalidades que mais procuram imóveis nas zonas costeiras do país, segundo dados do idealista.

Autores: Leonor Santos, Tânia Ferreira

O clima e a beleza da (longa) costa portuguesa - que se distingue pelos seus extensos areais e paisagem diversificada -, a par de outros motivos, continuam a atrair estrangeiros para o país, seja para comprar ou arrendar casa. Prova disso mesmo é que a procura internacional representa já cerca de um quarto (24%) do número total de visitas a propriedades localizadas no litoral português, (76% é de origem nacional). Os EUA destacam-se, atualmente, como o país mais ativo na procura de propriedades em zonas de praia, tendo como destinos de preferência o arquipélago dos Açores e a Zona Oeste, em Portugal Continental. A partir de dados do idealista fazemos agora uma radiografia à procura de imóveis em território nacional, analisando 422 freguesias na costa portuguesa com um objetivo: descobrir, afinal, onde é que os estrangeiros mais gostam de comprar e arrendar casa em Portugal Continental e Ilhas.

“Portugal continua a atrair muito interesse por parte dos estrangeiros. A procura internacional ativa é evidente, mesmo com as limitações impostas pela Covid-19, em relação à mobilidade, e é muito interessante perceber a evolução da procura do mercado internacional em cada freguesia ou bairro de Portugal. Neste momento, esta informação é essencial para ajustar as estratégias do mercado imobiliário, pois Portugal continua a ser uma opção viável para muitos investidores estrangeiros”, comenta Inês Campaniço, head of idealista/data Portugal.

É desde os EUA, França e Reino Unido que a maior procura se registou por casas no litoral para vender ou arrendar durante o mês de julho, segundo se pode concluir a partir de dados do idealista. Os norte-americanos são, de facto, a nacionalidade mais interessada em comprar uma casa junto ao litoral, com peso em 166 freguesias costeiras. São seguidos pelos franceses, a nacionalidade predominante em 89 freguesias, e pelos britânicos, que estão em 64 freguesias costeiras. Espanhóis, brasileiros, alemães e canadianos também estão entre as nacionalidades mais interessadas em investir em propriedades junto à praia em Portugal.

País  Número de freguesias
Estados Unidos 166
França 89
Reino Unido 64
Espanha 38
Brasil 37
Alemanha 15
Canadá 5
Roménia 5
Suíça 3
Total 422

Onde é que os estrangeiros querem comprar ou arrendar casa?

Os norte-americanos têm especial interesse em freguesias localizadas na Grande Lisboa e na Zona Oeste, assim como em Sintra ou Ericeira, e dominam a procura nas ilhas açoreanas, com um peso de mais de 60% na região.

Já os franceses dominam a procura estrangeira por casas na região do Algarve e Litoral Norte. Os alemães, por sua vez, centram as suas atenções na Costa Alentejana, sendo as freguesias de Vila Nova de Milfontes e São Teotónio as mais populares. As casas para venda ou arrendamento em Porto Santo, na ilha da Madeira, também interessam aos compradores alemães, ainda que sejam os britânicos quem mais procura casa neste arquipélago.

Além da Madeira, os interessados do Reino Unido focam as suas atenções na região de Lisboa, assim como em algumas freguesias do sul do país, nomeadamente Almancil, Alvor e Mexilhoeira Grande.

Os espanhóis, por outro lado, centram a sua procura nas freguesias perto da fronteira com Portugal, como Altura e Vila Real de Santo António, assim como na Costa Vicentina e em freguesias já próximas da capital, como Comporta e Alcácer do Sal. Os imóveis localizados nas freguesias mais a norte também são apelativos para os estrangeiros da vizinha Espanha, mais uma vez perto da fronteira, de que é exemplo Vila Praia de Ancôra.

Quanto aos brasileiros, muitos dos quais aliciados pelo programa de vistos gold, entre outros atrativos de Portugal, estes têm preferência por freguesias costeiras das grandes cidades, nomeadamente Lisboa, Porto e Aveiro. Também em Cascais, representando, neste caso, 29% da procura internacional. 

As freguesias costeiras mais caras e mais baratas para comprar casa 

As freguesias de Lisboa têm os imóveis mais caros, com a Misericórdia a chegar a uma média de 6.204 €/m2 e o Parque das Nações aos 5.787 €/m2, numa zona em que os brasileiros são os principais estrangeiros interessados. Os EUA lideram a procura em freguesias da capital, nomeadamente a Estrela, com uma média de 5.238 €/m2. No topo das freguesias com preços mais elevados também aparece Sagres, com valores de 4.397 €/m2 – aqui são os espanhóis que lideram a procura. 

Por outro lado, encontramos freguesias no arquipélago dos Açores, como São Mateus, onde as casas custam uma média de 265 €/m2 e aqui são os norte-americanos os estrangeiros que dominam a procura. Em Portugal Continental, as freguesias mais baratas são Samuel, em Coimbra, com valores médios de 362 €/m2 – mais procuradas por espanhóis -, e Odeleite, em Faro, com valores médios de 483 €/m2, onde voltam a ser os norte-americanos os principais interessados. Em Aveiro, na freguesia de Canelas e Fermelã, podemos encontrar imóveis a 631 €/m2, e a procura é dominada pelos franceses.

As curiosidades das zonas onde os estrangeiros procuram casa

Depois de analisar as principais nacionalidades interessadas em comprar ou arrendar casa em Portugal, algumas destacaram-se por estarem em minoria. Por exemplo, os suíços, que lideram a procura na freguesia de Carriço, Pombal, na Tocha, em Coimbra, ou até mesmo em Estela, Póvoa do Varzim. Os romenos também aparecem na liderança da procura em Sarilhos Grandes, Montijo, assim como em Abrunheira, Montemor-o-Velho.Também o Canadá lidera em algumas freguesias dos Açores, por exemplo, Quatro Ribeiras, na ilha Terceira.

Metodologia

Para a realização deste estudo utilizámos como referência a localização IP a partir da qual foram feitas as visitas aos anúncios do idealista para venda ou arrendamento. Por conseguinte, não se trata exclusivamente da nacionalidade dos utilizadores, mas sim do país onde se encontram.