Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Bancos portugueses

Últimas notícias sobre "Bancos portugueses" publicadas em idealista.pt/news

Os truques para conseguires um spread mais baixo no teu crédito à habitação

Estás a pensar em pedir um crédito à habitação? Pois fica a saber que há formas de tornar o teu spread mais barato na hora de negociar um empréstimo para a compra de casa. Em causa está a contratação de produtos alternativos no banco que vais fazer o financiamento, tais como seguros, produtos de poupança e investimento, domiciliação do ordenado, serviços de homebanking ou cartões de crédito e débito. Podes conseguir poupar entre 1% e 2%.

Notícia sobre:

Caso do papel comercial do BES: lesados podem recuperar até 75% das perdas

Boas notícias para os mais de dois mil lesados do papel comercial do BES. Os investidores vão, afinal, poder recuperar até 75% do capital aplicado no produto do antigo banco liderado por Ricardo Salgado. A garantia foi dada pelo advogado Nuno Vieira, que representa a maioria dos lesados, após uma reunião esta segunda-feira com representantes da CMVM, Banco de Portugal, BES, Governo, Associação de Lesados e advogados.

Notícia sobre:

Banca com dificuldades em vender os mais de 12 mil imóveis que tem em carteira

O imobiliário continua a ser uma carga para a banca nacional, ainda que de forma mais ligeira do que no ano passado. Os cinco maiores bancos a operar no mercado português fecharam o primeiro semestre com quase sete mil milhões de euros em imóveis no balanço, menos 6,55% do que no período homólogo. Juntos, têm atualmente cerca de 12.280 imóveis à venda nos seus sites. Do total, somente uma fatia de 28% são casas.

Notícia sobre:

Presidente da CGD obrigado a entregar declaração de rendimentos

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, disse que os gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) “têm de apresentar a declaração de rendimentos”, porque não houve qualquer alteração na lei sobre esta matéria.

Notícia sobre:

Sérgio Monteiro fica mais três meses no BdP para vender o Novo Banco

Sérgio Monteiro, consultor do Banco de Portugal (BdP) para o processo de venda do Novo Banco, foi convidado a ficar mais três meses nessa posição de forma a concluir o negócio. Desta forma, o antigo membro do Governo de Passos Coelho deverá permanecer à frente do processo de venda do Novo Banco até janeiro, data em que se prevê que a operação esteja fechada. No limite, a prestação de serviços acaba a 30 de abril.

Notícia sobre:

Compra do BPI pelos espanhóis do CaixaBank aprovada pelo BCE

A operação de aquisição do BPI pelo CaixaBank foi autorizada pelo Banco Central Europeu (BCE), revelou esta sexta-feira, em Barcelona, o presidente executivo do banco espanhol, Gonzalo Gortázar. O CaixaBank, que já era o maior acionista do BPI com cerca de 45%, fez o pedido de registo da OPA junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) sobre a totalidade do capital social do banco português, aguardando esta decisão.

Notícia sobre:

Mais de 60% dos bancos não cumpre lei que obriga a informar clientes sobre comissões pagas

Os bancos são obrigados por lei a enviar, desde janeiro, uma fatura-recibo anual com todas as comissões bancárias pagas no ano anterior a partir da conta de depósito à ordem, mas a maioria dos bancos (66%) não cumpriu essa exigência ou está a fazê-lo com atraso e/ou de forma parcial.

Notícia sobre:

Os banqueiros mais bem pagos de Portugal são...

António Vieira Monteiro, presidente do Santander Totta, é o banqueiro mais bem pago de Portugal. Seguem-se na lista Fernando Ulrich, líder do BPI, e António Domingues, que como presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai receber 423.000 euros anuais brutos – cerca de 30.000 euros por mês (pago em 14 meses) –, o mesmo valor que auferiu no ano passado, como número dois de Ulrich no BPI.

Notícia sobre:

Bancos portugueses têm 4.000 milhões de euros de reservas parados

A banca portuguesa tem 4.000 milhões de euros de excesso de liquidez, ou seja, tem dinheiro parado que vai muito além das reservas mínimas exigidas pelo Banco Central Europeu (BCE). Equivale a 2% do PIB, um montante significativo que não chega à economia real. A Associação Portuguesa de Bancos (APB) considera que a procura de crédito é escassa e grande parte da que existe comporta um risco elevado.

Notícia sobre: