Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Coronavírus: os direitos dos trabalhadores em quarentena 

Os três dias iniciais que tradicionalmente não estão cobertos por subsídio de doença serão pagos pela Segurança Social.

Photo by Online Marketing on Unsplash
Photo by Online Marketing on Unsplash
Autor: Redação

Os trabalhadores, dos setores público e privado, que venham a estar de quarentena para evitar riscos de contágio por causa do coronavírus receberão 100% do salário a partir do primeiro dia. O pagamento integral das remunerações será assegurado pela Segurança Social, segundo as declarações da ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho. Vai proceder-se à "aplicação do regime que está previsto na lei para a doença da tuberculose", de acordo com a governante.

Ana Mendes Godinho adiantou, em entrevista à TSF, que “os trabalhadores do setor privado e do setor público terão exatamente o mesmo tratamento relativamente ao período necessário para o isolamento“, garantindo que, em ambos os setores, os trabalhadores vão receber “100% do salário".

Segundo garantiu a governante, “os três dias iniciais que tradicionalmente não estão cobertos por subsídio de doença” serão pagos, para que os doentes sejam abrangidos “desde o primeiro dia”.

O esclarecimento de Ana Mendes Godinho surge depois da ministra Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, ter dado esta garantia para o setor público, e na sequência das dúvidas levantadas a partir das declarações do ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, esta segunda-feira (2 de março de 2020), que falava de uma compensação financeira equivalente à baixa médica por internamento.

O primeiro-ministro, António Costa, já tinha vindo dizer que seria acionado um mecanismo legal para garantir o pagamento dos salários dos trabalhadores que pudessem vir a ficar em casa por prudência. Após uma visita ao centro de contacto Saúde24, em Lisboa, no dia em que foram confirmados os primeiros casos de infeção, em Portugal, com o novo coronavírus (Covid-19) – esta segunda-feira, 2 de março de 2020 -, o líder do Governo de esquerda referiu um "tratamento igual para todos".