Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Segunda vaga da Covid-19 leva ao cancelamento de eventos imobiliários (internacionais e em Portugal)

Salão Imobiliário do Porto (SIP) e MIPIM foram adiados para 2021 e Expo Real 2020 foi cancelada de urgência.

Edição 2019 do MIPIM / Crédito: © V. DESJARDINS / IMAGE&CO
Edição 2019 do MIPIM / Crédito: © V. DESJARDINS / IMAGE&CO
Autor: Redação

A pandemia continua a deixar marcas na economia, nomeadamente no segmento da realização de eventos. E o setor imobiliário é um dos afetados, com o sucessivo adiamento e/ou cancelamento de importantes feiras. É o caso, por exemplo, do Salão Imobiliário do Porto (SIP), do MIPIM, a maior e mais importante feira imobiliária do mundo, e da Expo Real, o maior evento do setor na Europa. De “portas abertas” ao público esteve, recentemente, o SIL, que se realizou em conjunto com a Tektónica e com a Intercasa – decorreu no pavilhão 1 da FIL, em Lisboa, em formato híbrido.

Vamos por partes. O SIP, que estava inicialmente previsto realizar-se de 3 a 6 de dezembro de 2019, foi adiado para o próximo ano, passando agora a ter lugar de 3 a 6 de junho de 2021. A decisão de adiar o evento deve-se à “incerteza que pauta a evolução da situação pandémica em Portugal”, refere a comissão organizadora, em comunicado.

“Esta decisão resulta da auscultação dos membros da comissão organizadora, de parceiros e de expositores, considerando-se que não estão reunidas as condições de higiene e segurança que permitam assegurar o cumprimento e advertências da Direção Geral da Saúde para a realização deste salão no corrente ano”, lê-se no documento.

Segundo a organização do SIP, não se tratou de “uma decisão fácil”, nomeadamente tem em conta “o número de empresas inscritas”. “No entanto, entendeu-se ser a que melhor defende os interesses de todas as partes, tanto a nível sanitário, como para salvaguardar o investimento dos parceiros e expositores que só se justifica num evento de sucesso, com adesão do público, nacional e internacional, o que, de momento, não é possível assegurar”, justifica a organização do evento, que se realizará de 3 a 6 de junho de 2021, na Exponor.

MIPIM volta a ser adiado

No que diz respeito ao MIPIM, a maior e mais importante feira imobiliária do mundo, era para se ter realizado – em Cannes (França) – de 10 a 13 de março de 2020, tendo sido entretanto adiada três vezes: primeiro para junho de 2020 (entre os dias 2 e 5), depois para março de 2021 (entre os dias 16 e 19) e agora para junho de 2021 (entre os dias 7 e 10). Significa isto, então, que o MIPIM 2021 terá lugar de 7 a 10 de junho do próximo ano. 

Um adiamento, explica a organização do evento, que se deve ao “feedback recebido dos participantes sobre a incerteza nas restrições das viagens e das regras de quarentena relacionadas com a pandemia da Covid-19”. Nesse sentido, refere, sentiu necessidade de “reunir a comunidade imobiliária internacional um pouco mais tarde que o previsto”.

“Entendemos (...) que participar no MIPIM requer muito planeamento. Num mundo onde é difícil avaliar/perceber onde estaremos em relação ao coronavírus nos próximos dias, semanas ou até meses, estamos a fazer o nosso melhor para antecipar desenvolvimentos e fornecer soluções que atendam às necessidades e preocupações dos participantes”, lê-se no site do MIPIM.

Expo Real cancelada à última hora

Também a Expo Real, a maior feira imobiliária da Europa, foi cancelada, devendo derrapar para 2021 – ainda não há, no entanto, uma data oficial. O certame, que todos os anos tem lugar em Munique (Alemanha), era para ter decorrido entre 5 a 7 de outubro deste ano, tendo entretanto sido lançada uma nova data: 14 e 15 de outubro. Sabe-se agora que, devido à pandemia, foi cancelado à última hora.  

O evento, que este ano iria decorrer em formato híbrido, acabou por ser cancelado de urgência, porque Munique foi declarada área/zona de risco.

“A decisão [de cancelar] é, claro, difícil, mas é para proteger clientes. Face aos desenvolvimentos atuais, o Expo Real Hybrid Summit não seria um ponto de encontro para o setor imobiliário e, portanto, não teria cunmprido o seu objetivo e missão. Além disso, o evento teria dececionado as expetativas dos clientes”, disse Klaus Dittrich, CEO da Messe München, em comunicado.