Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Venda de casas nos EUA

Últimas notícias sobre "Venda de casas nos EUA" publicadas em idealista.pt/news

EUA: venda de casas novas atinge mínimos e baixa 3,4% em agosto

O ritmo de venda de casas novas nos Estado Unidos caiu 3,4% em agosto. Trata-se de um recuo de 560 mil unidades, que representa o nível mais baixo dos primeiros oito meses do ano, de acordo com o Departamento do Comércio norte-americano. Nos Estados Unidos as casas novas representam cerca de 7% do mercado de habitação residencial.

Notícia sobre:

Mansão da Playboy está à venda por 185 milhões de euros

A casa de Hugh Hefner, fundador da revista Playboy, está à venda, sendo esta operação considerada uma das mais importantes dos últimos anos em Los Angeles (EUA). Quem quiser viver nesta mansão terá de desembolsar 200 milhões de dólares (185 milhões de euros).
Notícia sobre:

Comprar casa em Manhattan custa em média 827.000 euros, tanto quanto em 2008

O mercado imobiliário de Nova Iorque (EUA) voltou a atingir os níveis históricos verificados em 2008, ano marcado pela crise e pelo estalar da bolha imobiliária. O preço médio das casas em Manhattan disparou no último trimestre do ano passado para os 980.000 dólares (827.000 euros), mais 15% que no período homólogo. Trata-se da segunda maior marca da histórica.

Notícia sobre:

EUA: construção de casas novas cai em novembro

O número de obras iniciadas no mercado de construção para habitação nos EUA diminuiu 1,6% em novembro face a outubro, para 1,03 milhões de construções novas iniciadas. Um valor que compara com 1,05 milhões (revistos) em outubro e 1,04 milhões esperado, face a uma leitura preliminar de 1,01 milhões em outubro.

Notícia sobre:

Estes são os 10 mercados imobiliários onde vale a pena investir nos EUA

Há zonas nos EUA onde o preço médio das casas vai aumentar mais de 10% este ano. Boston, Nova Iorque ou Seattle são apostas seguras, bem como Miami, um mercado em constante crescimento: o preço médio de um imóvel é 259.000 dólares (200.000 euros), tendo aumentado 27,3% em 2013 face ao ano anterior. Para este ano, o portal imobiliário Zillow prevê aumentos de 10,2% no preço da habitação em Miami.
Notícia sobre:

EUA: construção de casas novas acelera em julho

Boas notícias para o setor imobiliário nos EUA. Dados revelados pelo Departamento do Comércio indicam que a construção de casas novas subiu, em julho, para o nível mais elevado em oito meses, interrompendo dois meses seguidos de quedas. No mês em causa, a construção de habitações aumentou 15,7% para um ritmo anual ajustado de 1,09 milhões de unidades.

Notícia sobre:

EUA: preços das casas sobem ao ritmo mais baixo dos últimos 15 meses

O preço das casas nos EUA está a subir, mas em maio registou-se o aumento mais fraco dos últimos 15 meses (desde fevereiro de 2013). Segundo dados do índice Case-Shiller, que acompanha os preços da habitação unifamiliar em 20 áreas metropolitanas do país, os preços aumentaram 9,3% em termos homólogos. Em abril tinha-se verificado uma subida homóloga de 10,8%.

Notícia sobre:

As 10 casas mais caras à venda nos EUA (fotos)

O preço médio de um casa em segunda mão nos EUA são 211.000 dólares (154.400 euros), mas há uma elite de imóveis de luxo à venda no país que estão no mercado por preços que não estão ao alcance do comum dos mortais. Em causa estão, por exemplo, penthouses em Nova Iorque ou mansões de sonho na Califórnia.
Notícia sobre:

EUA: preço das casas continua a subir, mas a um ritmo mais lento

O preço das casas nos EUA continua a subir mês após mês, mas em fevereiro registou-se o menor aumento dos últimos meses (desde agosto). Na prática, e face ao período homólogo, o preço da habitação subiu 12,9% nas 20 principais cidades do país, menos que os 13,2% verificados em janeiro, segundo o índice S&P/Case-Shiller.

Notícia sobre:

Venda de casas novas nos EUA desceu 3,3% em fevereiro

Estão a vender-se menos casas novas nos EUA. Segundo dados divulgados pelo Departamento do Comércio norte-americano, em fevereiro, as vendas recuaram mais que o esperado – 3,3%, para uma taxa anual de 440 mil unidades –, atingindo um mínimo de cinco meses e prolongando o fraco desempenho do mercado habitacional.

Notícia sobre: