Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Transformar um armazém industrial em casas sem esquecer a história

Antigo complexo fabril em Barcelona ganhou nova vida depois de reabilitado, dando lugar a 46 habitações sociais.

Armazém transformado em casa
Apartamentos em Poblenou, Barcelona
Autor: Redação

Espaços abertos, espaçosos, arejados e luminosos, com vigas de madeira nos tetos inclinados, pisos de concreto polido, paredes com tijolos expostos, grandes janelas ... se pesquisaste no Google alguma destas características para a tua futura casa, certamente estás a sonhar com um "loft".

A origem deste tipo de imóveis está em Nova Iorque, EUA, em meados dos anos 50. Com a população a crescer em bairros como Tribeca ou Soho, surge a necessidade de colocar no mercado apartamentos maiores e mais baratos. Armazéns, fábricas, sótãos abandonados e edifícios industriais de todo o tipo começaram a ser transformados, reabilitados e ocupados por estudantes ou artistas.

Hoje, estes espaços, muitas vezes situados junto aos centros das cidades, tornaram-se num objeto de luxo cobiçado por uma sociedade que cada vez mais valoriza o espaço e a luz natural numa casa para comprar - mais até do que outras características.

Armazém transformado em casa
Fabra&Coats de Jordi Surroca + Gael del Río
No entanto, a transição entre um edifício industrial para um residencial não é isenta de dificuldades. Primeiro, há que saber se a mudança de uso do edifício é permitida, se é requalificável ou se o imóvel está localizado num terreno industrial. Se houver a liberdade, em termos administrativos, de obter certificados e licenças, decerto que a futura casa irá passar por uma reabilitação rigorosa.

Será um especialista nesta matéria a melhor pessoa para identificar tudo o que é possível fazer no espaço a reabilitar, como a melhor distribuição das áreas e a segurança das estruturas. A escolha dos materiais também será importante para que a casa seja sustentável, durável, saudável e confortável.

Durabilidade e conforto da casa

Para transformar uma casa com estas características, os materiais cerâmicos são os mais adequados, até porque uma das suas características é a durabilidade. Os edifícios com fachadas cobertas de tijolos ou coberturas com telhas que vão envelhecendo, acabam por se tornar mais belos com o tempo, mesmo com quase nenhuma manutenção.

Mas além da durabilidade, a cerâmica oferece outras vantagens: isolamento acústico, ótimo comportamento contra humidade e não emite substâncias tóxicas, gases ou compostos orgânicos voláteis (VOCs). Tudo isto transparece para a qualidade do ar dos ambientes e tornam os espaços confortáveis e saudáveis para se viver.

Os Prémios de Arquitetura da Hispalyt e a Associação Espanhola de Fabricantes de Tijolos e Telhas de Barro Cozido - que acabam de ser convocadas em sua XVI edição para Tijolo e o V de Telhas - estão repletos de bons exemplos e transformações de edifícios industriais em casas, que são uma verdadeira inspiração.

De um antigo armazém a 46 unidades de habitação social

Um exemplo claro deste tipo de reabilitação é a transformação em habitação social do antigo complexo industrial Fabra i Coats em Barcelona, ​​levado a cabo por Mercè Berengué Iglesias e José Miguel Roldán Andrade (Roldán + Berengué arquitetos). A obra obteve a Menção em Habitação Coletiva na última edição de o Prémio de Arquitetura do Tijolo. O júri valorizou especialmente a manutenção do espírito do edifício, “a análise e a restauração que respeitou o tijolo original e a inclusão com sucesso de algumas peças novas que ordenam o conjunto, mantendo a linguagem e o material”.

Armazém transformado em casa
Fabra&Coats de Jordi Surroca + Gael del Río
O armazém original foi construído em 1905 para armazenar fio. A estrutura, a fachada e a cobertura do edifício foi constrúda em tijolo maciço, telha árabe e estrutura interna de aço.

Mercé Berengué fala com especial carinho dessa reforma pioneira em vários sentidos, como o de criar uma habitação social a partir de um edifício industrial. Segundo diz a arquiteta, a manutenção da fachada em tijolo e da cobertura em telha foi fundamental para manter a essência histórica deste edifício com mais de um século de história. “Quando falamos em reabilitação de um edifício histórico ou industrial, a fachada faz parte da estrutura e construção do imóvel e, no seu conjunto, temos o dever de tentar preservá-la para manter a sua essência e história. Procurámos ativar todos os elementos originais e reaproveitar as suas qualidades físicas, espaciais e históricas para tornar a nova construção mais eficiente e reforçar a tradição histórica do edifício original".

Também a cobertura de telhas e até mesmo os alicerces de tijolo e a pedra do Montjuic foram preservados. Sobre o material cerâmico, a arquiteta Berengué destaca, sobretudo, o seu bom envelhecimento e a sua excelente relação com o ambiente: “Tal como a madeira, o tijolo cerâmico - sendo um material natural e que temos ao nosso alcance - tem uma excelente forma de se relacionar com o urbanismo e a cidade ".

A parede de tijolos de 45 cm e a cobertura de telha cerâmica do armazém original proporcionam isolamento térmico, mas também "tem excelente comportamento térmico contra a humidade e grande durabilidade", destaca um dos fundadores do gabinete Roldán + Berengué Arquitetos, entre outras características destes materiais..

Armazém transformado em casa
Fabra&Coats de Jordi Surroca + Gael del Río

Estudos industriais em Poblenou (Barcelona)

A transformação dos espaços industriais em Poblenou (Barcelona), obra de Núria Salvadó e Josep Anglès, foi também escolhida como um caso de sucesso para a edição do livro do III Prémio de Arquitetura de Telha.

Armazém transformado em casa
Apartamentos em Poblenou, Barcelona

O projeto consistiu na transformação e reabilitação de cinco edifícios industriais localizados neste antigo e popular bairro operário e industrial que foram transformados em escritórios, lojas e estacionamento. A manutenção dos elementos originais como a fachada em tijolo mas, sobretudo, a cobertura de telha cerâmica, cumpre o propósito descrito no relatório de “aproveitar o existente não como obstáculo mas como oportunidade para melhorar a funcionalidade e qualidade espacial do conjunto ”.

Josep Anglès, que realizou o projeto básico e executivo, formou um parceria especial com Núria Salvadó, que também foi responsável pela execução da obra. Embora cada um trabalhe no  seu próprio ateliê, os profissionais uniram-se para levar a cabo a transformação urbana em Poblenou.

Armazém transformado em casa
Apartamentos em Poblenou, Barcelona
“Nos telhados inclinados, os suportes foram preservados e no topo foram instalados alguns painéis de madeira laminada cruzada, alguns feltros geotêxteis como barreira de vapor e um isolamento Gutex, feito de fibras vegetais. A última camada foi feita de nova telha mista ”, explica Josep Anglès.

O arquiteto catalão, altamente especializado em projectos de reabilitação, opta sempre por coberturas inclinadas para manter o material original: “Se houver cobertura de telha procuro manter a telha original como cobertura e mudar os canais”. “Considero que é um material que proporciona sustentabilidade aos edifícios e possui bom comportamento térmico e acústico”, conclui.

Estes são apenas dois exemplos de como uma adequada reabilitação e a utilização de materiais -  como as cerâmicas com alta durabilidade e sustentáveis -, pode dar-se uma segunda oportunidade a um edifício abandonado. Com uma nova utilização, os edifícios passam a ter uma segunda vida e, assim, continua-se a escrever novas páginas da sua história.