Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

IRC

Últimas notícias sobre "IRC" publicadas em idealista.pt/news

Criação de novo escalão no IRS beneficia contribuintes de rendimentos superiores

O desdobramento do segundo escalão do IRS em dois patamares “não vai beneficiar” os contribuintes do nível inferior de rendimentos, “mas todos os superiores vão ganhar”, já que o imposto é progressivo. O alerta é dado pelo fiscalista Manuel Faustino, o primeiro diretor dos serviços do IRS do Fisco.

Notícia sobre:

Receita fiscal diminui 579 milhões de euros face ao ano passado

Entre janeiro e maio, o Estado arrecadou 15.246 milhões de euros, menos 579 milhões de euros que no período homólogo. Trata-se de uma queda “inteiramente justificada” pelos reembolsos de IRS e de IVA, segundo a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Notícia sobre:

IMI dos prédios rústicos sem aumentos

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse que os proprietários de prédios rústicos não vão pagar mais Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). “Não. Genericamente, não”, referiu Fernando Rocha Andrade. De referir que a revisão das regras de avaliação dos prédios rústicos de maior dimensão está atrasada face ao calendário final, não sendo possível antecipar se haverá agravamento ou alívio de imposto.

Notícia sobre:

Fisco em contra-relógio para cobrar dívidas fiscais de 2012

O prazo para cobrar as dívidas fiscais correspondentes a 2012 está em vias de caducar. Para poder recuperar este dinheiro, as Finanças decidiram acelerar o envio de notificações para os contribuintes em falta. A Lei Geral Tributária determina que a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) tem quatro anos para notificar os contribuintes do seu direito em liquidar impostos em dívida. Depois disso, esse direito acaba.

Notícia sobre:

Quem consegue evitar o "novo" IMI? Empresas e famílias com grandes fortunas

O novo imposto adicional ao IMI, apresentado como uma taxação sobre fortunas, aplica-se em teoria a contribuintes singulares com elevado património e às empresas com prédios que não sejam afetos à indústria ou ao turismo turística, a partir de 600 mil euros. Mas na prática há forma de escapar a esta tributação. Tudo depende da forma como o património seja organizado.

Notícia sobre:

OE2017: Fatura de IMI dispara para grandes grupos empresariais

O novo imposto sobre imóveis, que acresce ao IMI e vem contemplado na proposta do Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), também terá impactos para os grandes grupos empresariais. Em causa está um agravamento da carga fiscal para as entidades detentoras de prédios urbanos localizados em Portugal (com exceção dos afetos a uma atividade industrial ou turismo). Explicamos-te tudo neste artigo preparado pela PricewaterhouseCoopers (PwC) para o idealista/news.

Notícia sobre:

Madeira reforça incentivos fiscais para as empresas que invistam na ilha

A Região Autónoma da Madeira está determinada a captar mais investimento empresarial. Nesse sentido, acaba de adoptar um novo regime de benefícios fiscais, que estará em vigor até ao final do ano 2020. Os incentivos serão dados por um período de dez anos, a projetos cujas aplicações sejam de montante igual ou superior a 1,5 milhões de euros, na ilha da Madeira, e 500 mil euros, no caso de empreendimentos no Porto Santo.

Notícia sobre:

Impostos: guia para pagares em prestações as tuas dívidas ao Fisco

Tens dívidas de IRS ou IRC e não tens de momento todo o dinheiro suficiente para liquidar estes impostos junto das Finanças? Não te preocupes, porque agora podes pagar as tuas dívidas fiscais em prestações. Mas há regras e condições a respeitar para ter poderes usufruir deste benefício. Fica a saber quais.

Notícia sobre:

Guia para pagar o IRS ao Estado em prestações

As Finanças estão neste momento a fazer o reembolso do IRS de 2014, mas há contribuintes que em vez de receberem vão ter que pagar. Se este é o teu caso, fica a saber que podes devolver o IRS ao Estado em prestações, desde que não tenhas dívidas ao Fisco.

Notícia sobre:

Brisa deve 110 milhões de euros de IRC ao Fisco

As Finanças decidiram inspecionar as contas da Brisa, em 2010, e concluíram que a empresa deve 110 milhões de euros de IRC, referentes a uma mais-valia gerada pela venda de uma participação de 16,35% que detina na Companhia de Concessões Rodoviárias, no Brasil.

Notícia sobre: