Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Uber

Últimas notícias sobre "Uber" publicadas em idealista.pt/news

Táxis fluviais chegam a Lisboa no verão

Apanhar um barco sem hora marcada para atravessar o rio Tejo entre Lisboa e a Margem Sul será uma realidade a partir do verão. “Estão criadas todas as condições para termos táxis fluviais no rio Tejo”, revelou Teresa Leal Coelho, vereadora do PSD em Lisboa e autora desta ideia, adiantando que “a Uber mostrou-se interessada” no negócio.

Notícia sobre:

Cabify deixa de operar em Portugal a partir de sábado

A espanhola Cabify, que opera em Portugal desde 2016 – foi a segunda empresa a entrar no mercado nacional das aplicações de transporte, depois da Uber, em 2014 –, anunciou que deixará de funcionar no país (em Lisboa e Porto) a partir do dia 30 de novembro de 2019.

Notícia sobre:

O que significa o dístico TVDE que circula em alguns carros?

As iniciais TVDE querem dizer transporte individual de passageiros em veículo descaracterizado, e identificam todos os veículos que trabalham para plataformas de transporte privado, como a Uber, a Cabify, Taxify ou a Kapten. 

Notícia sobre:

Táxis parados hoje em Lisboa, Porto e Faro. Afinal, o que reclamam?

É para novembro que está prevista a entrada em vigor da nova lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte que operam em Portugal. De momento são quatro (Uber, Taxify, Cabify e Chaffeur Privé) e os taxistas estão contra, manifestando-se esta quarta-feira nesse sentido, em Lisboa, Porto e Faro. E o trânsito no centro destas cidades deverá complicar-se. Explicamos-te agora qual é o motivo deste quarto grande protesto dos taxistas a nível nacional.

Notícia sobre:

Portugal é dos países europeus com mais trabalhadores em plataformas eletrónicas

O peso do emprego gerado direta e indiretamente por negócios de plataformas digitais em Portugal é um dos mais elevados num conjunto de 14 países europeus, correspondendo a 10,6% do total no país. Em causa estão negócios de empresas como Uber, UberEats, Glovo, Cabify, Taxify, Zomato, Booking e Airbnb.

Notícia sobre:

Aprovada lei para regular plataformas como a Uber: taxa de contribuição sobe para 5%

O Parlamento aprovou o novo decreto para regulamentar a atividade de empresas como a Uber, depois de introduzidas alterações após o veto do Presidente da República. Será criada uma contribuição de regulação e supervisão a ser paga pelas plataformas que terá uma percentagem de 5% dos valores da taxa de intermediação que cobram nas suas operações.

Notícia sobre:

Disparam queixas contra a Uber, mas também contra a ANTRAL

Cobranças indevidas e tarifas abusivas, falhas nas emissões de faturas, irresponsabilidades e má educação dos motoristas. Estes são os principais motivos de queixas dos consumidores contra a Uber (plataforma digital de transporte de passageiros), mas também contra a Antral (entidade que representa os taxistas).

Notícia sobre:

Marcelo veta lei que regula plataformas como a Uber

O Presidente da República (PR) solicitou ao Parlamento que volte a apreciar a lei que irá regular a atividade das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros como a Uber e a Cabify. Marcelo pede ainda que seja modernizada a legislação sobre táxis. O PS quer alterar diploma e “acomodar preocupações” de Marcelo.  

Notícia sobre:

Lei das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros votada hoje no Parlamento

O texto final da lei que vai regular as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros, como a Uber, Cabify, Taxify e Chofer, é votado esta esta sexta-feira (23 de março) na Assembleia da República (AR), depois do diploma ter sido aprovado a 14 de março na especialidade.

Notícia sobre:

Lei da Uber adiada: deputados têm 15 dias para chegar a consensos

Ainda não foi desta que a lei da Uber foi votada na especialidade. Devia ter sido votada esta quinta-feira (22 de fevereiro), mas o deputado socialista Luís Testa pediu o seu adiamento. O objetivo é que os deputados cheguem a um consenso, para depois ser elaborado um texto comum das várias propostas de lei. Têm 15 dias para o fazer.

Notícia sobre: